sábado, 2 de junho de 2012

O equilíbrio... Desafio diário!

Vou começar o post de hoje com uma frase que ouvi minha mãe repetir a vida inteira: "Firmeza e bondade". No meu post de ontem eu escrevi que parece que às vezes temos que gritar para sermos ouvidos. Estava pensando hoje em qual é o equilíbrio entre a firmeza e a bondade, entre a doçura e a passividade, entre ser educado e ser tonto, entre ser firme e ser bravo, entre ser tolerante e ser omisso. Para mim, esse é um desafio diário. Eu tenho um jeito meigo de falar as coisas e isso já me trouxe alguns (para não dizer muitos) problemas. Também prezo pela educação e pela gentileza, outra coisa que, por incrível que pareça, já me trouxe muitos problemas (apesar de já ter me resolvido vários). 
Acho que a tolerância é fundamental nos relacionamentos em geral. No entanto, como saber quando a tolerância virou omissão? Às vezes a outra pessoa está agindo mal e alguém precisa dizer isso a ela! Como distinguir? Um desafio e tanto... 
Também acredito que a doçura é uma característica boa, mas e quando os outros a interpretam como tolice ou infantilidade? Eu já senti que muitas vezes as pessoas não me levaram tão a sério por causa desse meu jeito "simpático". Poxa, será que mulher tem que falar igual homem para ser levada a sério? Ah, não, se fala igual a homem é brava! Esse equilíbrio é dificílimo também.
No Brasil, onde o "jeitinho" já é modo de vida, ser educado, bom e gentil também pode trazer problemas. Muita gente se aproveita disso, querendo levar vantagem. O que é mais fácil, passar a perna numa pessoa calma e educada ou numa barraqueira?
Como eu já escrevi por aqui, parece que às vezes até o sorriso é sinônimo de "bobeira". Quem sorri demais deve ter algum problema! Eu já fui julgada por sorrir. Por incrível que pareça, em algumas situações eu perdi a calma e agi com mau humor ou mesmo dei um piti e, então, fui levada mais a sério e tratada com mais respeito e educação.
Li até uma frase no facebook dizendo assim: "Sabe porque os homens gostam das boazinhas? Porque as fortes e independentes eles não conseguem enganar". Eu sinceramente não entendo porque as coisas têm que ser separadas. Por que uma mulher não pode ser, ao mesmo tempo, forte, independente e doce? Porque ser "boazinha" é mau visto hoje em dia? Ser boazinha é igual a ser trouxa? Isso é uma inversão de valores que vale a pena ser colocada em pauta. Para os homens também vale: para serem levados a sério, inclusive pelas mulheres, eles têm que parecer "maus", durões. E depois as mulheres reclamam que querem um homem sensível. Se decide, né? Eu já vi muito homem bonzinho (no ótimo sentido) levar a pior, enquanto o sedutor (mauzinho, no mau sentido) leva a melhor e depois dá o fora. Homem bonzinho também virou sinônimo de trouxa. Inversão de valores. 
Enfim, meu post de hoje tem um fundo de tristeza. Queria que a sociedade fosse mais justa, mais pensante, que julgasse cada um de acordo com as suas características como um todo e que as pessoas se levassem mais a sério como forma de demonstração de respeito. Queria que o certo fosse o certo e não o chato. Queria que o bom fosse o bom e não o tonto. Sabemos que para tudo na vida o melhor é o equilíbrio, mas às vezes parece que somos acrobatas de circo tentando andar sobre aquelas cordas penduradas lá em cima. Imagino como deve ser difícil tentar ensinar essas coisas aos filhos... Que coisa difícil! Haja inspiração divina!!! 



13 comentários:

  1. Faço da suas as minha palavras! Parece eu refletindo...

    ResponderExcluir
  2. Adorei esse post Helo!
    fazia um tempinho que não comentava, eu estou ainda na função de mudança. Chegamos em Porto Alegre quarta passada!
    Beijos,
    Paula Bonamigo

    ResponderExcluir
  3. Raquel Lourenço de Lima2 de junho de 2012 19:26

    Nossa me vi descrita neste post. As pessoas sempre dizem que sou doce, e acredito que sou assim mesmo, gosto de sorrir para as pessoas, ser simpatica, educada e já senti na pele muitas vezes que as pessoas acham que por ser assim sou otária, boba, tonta coisas assim e isso me deixa bastante triste. Mas sabe tenho tentado muito encontrar o equilibrio mas é dificil para caramba. Bjs Flor... =)

    ResponderExcluir
  4. Maria Thelma Orsolini2 de junho de 2012 23:39

    Oi querida, achei incrível e profunda essa reflexão. Sei que muitas pessoas se vêem nesse dilema durante toda a vida. Realmente é um exercício diário conseguir se equilibrar e saber quando as vezes, o melhor ou o necessário é justamente "perder o equilíbrio".O melhor é mesmo seguir a máxima :"Firmeza e bondade". Mas você Nonozinha tem sido demais !!!!!!!! Você realmente tem conseguido se equilibrar e, inclusive, saber a hora certa de "perder o equibrio". Você, com tudo o que sofreu esta semana, sobretudo na última quinta, se manteve com a mesma força, fé, coragem e doçura. Parabéns pelo seu exemplo. Te amo muito e já estou com saudade. Bjos e Deus te abençoe. Beijos para Marcelo, meu genrinho querido que tem cuidado da Helozinha com tanto amor e dedicação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieee!!! Pois é, é uma tentativa para a vida toda! E vc sabe, né? Consigo tudo isso porque tenho você, o Marcelo e demais sempre comigo, me ajudando!
      Amo vc mto mto
      Beijosss

      Excluir
  5. Esse post eh perfeito.Nos dias de hj quem tem educacao passa por bobo.Mas eu tb penso como vc, tem que haver equilibrio senao a vida passa a ser soh briga,mas precisamos aprender a dizer "nao".A celebre frase"so fazem com vc aquilo que vc deixa".Suas palavras foram perfeitas.Continue assim,uma mulher sensivel,inteligente e de bem com a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, a gente tem que aprender a dizer não e também a "gritar" quando necessário!!!
      Bjss, obrigada!
      Helô

      Excluir
  6. Adorei seu post, porque foi uma descrição do que sinto "na pele", é muito difícil as pessoas entenderem que ser educada, boa e gentil são sinônimos de "boba", "ingênua" e "tonta", com isso as pessoas acabam abusando e passando dos limites. Às vezes me pego fazendo um questionamento de mim mesma: Será que as pessoas não sabem diferenciar as coisas, mas muitas vezes é conveniente acreditar que de "boa" passamos a "tonta", precisamos ter paciência e com jeitinho saber colocar as pessoas em seus lugares, e também como li anteriormente em algum post que dizia: As pessoas fazem o que você permite que elas façam. Mas é muito difícil, mas vamos tentando chegar no equilíbrio, né? Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, você escreveu a mesma frase que a Maria Aparecida, do comentário acima rsrsrsrs... Só fazem com você aquilo que você deixa, por isso precisamos mesmo aprender a dizer não e "gritar" de vez em quando, né?
      Beijosss

      Excluir
  7. aaaiiii o Santo Equilíbrio!
    é, os dois extremos são perigosos, portanto, nem pra mais nem pra menos!
    Ser bom não é ser bobo...hehe
    Ser justo, então? seria isso?
    E que fique claro que justo não é retilíneo,hahaha...
    Bem, seja lá como for, eu serei o que sou...todos seremos o que somos (tomara,rs)...e isso implica que dos nossos atos, resulte um coração tranquilo...sempre! Helo, estas dúvidas já denotam em vc a vontade de ser melhor, a cada dia! E no final das contas é isso que faz a vida valer a pena! Beijosss, Saúde!!!! Namastê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, o que mais importa é a vontade de sermos pessoas melhores a cada dia. Sempre vamos ter dúvidas e sempre vai ter gente que vai nos interpretar mal ou se aproveitar de nós, não é? Temos que fazer o que achamos certo e pronto!
      Bjsss
      Namastê!

      Excluir